Brasil tem 490 mortos e mais de 11,2 mil casos

Brasil tem 490 mortos e mais de 11,2 mil casos

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 10h50 desta segunda-feira (6), 11.450 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil, com 491 mortes pela Covid-19. Apenas dois estados ainda não registraram mortes: Acre e Tocantins.

O estado do Ceará confirmou na manhã de hoje que 34 municípios do estado têm casos confirmados da doença, e o número de infectados chegou a 976.

O Amazonas alcançou 16 mortes, a última delas de um homem de 71 anos. A Bahia também confirmou a décima morte no estado.

Na noite de domingo (5), o Pará registrou mais casos e a segunda morte pela doença, uma mulher de 50 anos que morava em Belém. Não há informações se ela tinha doença preexistente.

Nesta manhã, o Amapá confirmou mais um caso e contabiliza 32 infectados e duas mortes em todo o estado.

Um boletim epidemiológico feito pelo Ministério da Saúde na sexta (3) diz que Distrito Federal, São Paulo, Ceará, Rio de Janeiro e Amazonas podem estar na transição para uma fase de aceleração descontrolada da pandemia.

O último balanço do Ministério da Saúde, divulgado na tarde de domingo (5), aponta 11.130 casos confirmados e 486 mortes.

Datafolha: 76% apoiam isolamento

Gerson Camarotti avalia resultado de pesquisa do Datafolha sobre apoio da população ao isolamento

Pesquisa Datafolha publicada nesta segunda pelo jornal "Folha de S.Paulo" questionou a população sobre as medidas de isolamento impostas pelas autoridades para conter o avanço do coronavírus.

Segundo o levantamento, 76% dos brasileiros acreditam que o mais importante neste momento é deixar as pessoas em casa; 18% querem acabar com o isolamento; e 6% não sabem opiniar.O instituto entrevistou, por telefone, 1.511 pessoas entre os dias 1º e 3 de abril. A margem de erro da pesquisa é de três pontos.

O levantamento também questionou os entrevistados sobre fechamento de comércio, suspensão de aulas e quanto tempo o isolamento deve durar. Veja os resultados na reportagem.

Leia mais no G1

    Compartilhe: