Vídeo mostra homem sendo linchado após matar ex-namorada



O garçom José Francimildo de Araújo, de 41 anos, linchado após matar a ex-namorada e ferir a amiga dela a facadas na terça-feira (7) na Zona Leste de São Paulo, passou a perseguir Elisabete Pinto de Oliveira, de 33, por não aceitar o fim do namoro com a estudante.

“Ele a perseguia. Era possessivo, tinha um ciúme doentio por ela”, afirmou na manhã desta quinta-feira (9), ao G1, o pai de Elisabete, o motorista Carlos Francisco de Oliveira, de 60 anos. “Não aceitava o fato de ela ter terminado com ele e queria reatar a todo custo.”

José e Elisabete namoraram por três anos, mas havia cinco meses que estavam separados. Vizinhos, eles se conheceram pela proximidade e começaram a se relacionar. “Ele me dizia que jamais relaria um dedo nela, mas fez pior: a matou”, lamentou Carlos.

José foi espancado até a morte por pessoas que conseguiram desarmá-lo enquanto golpeava o pescoço de Elisabete com uma faca num ponto de ônibus. Vídeos feitos por celulares gravaram tanto o momento em que o garçom mata a estudante como o instante em que é linchado na Avenida Doutor Assis Ribeiro, no bairro Cangaíba (assista a trechos abaixo).

Vídeo mostra homem sendo linchado após matar ex-namorada e ferir amiga a facadas em SPNa gravação que está sendo compartilhada pelo WhatsApp, é possível ver a amiga de Elisabete pedindo ajuda. Ela também foi esfaqueada ao tentar impedir José. A mulher está internada com cortes no braço e no tórax. Apesar disso, a mulher de 43 anos não corre risco de vida.

"Mata, mata" é um dos gritos ouvidos no áudio da filmagem. Ele é direcionado a José, caído no chão. “Não conheço o pessoal que o linchou”, disse o pai de Elisabete.De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP), o assassinato da mulher e a agressão à amiga dela foram registrados no 10º Distrito Policial (DP), na Penha, como feminicídio e violência doméstica. O linchamento foi registrado como homicídio simples.O feminicídio é uma qualificadora do homicídio doloso, com intenção de matar. Nesse caso, há entendimento de que o crime foi cometido contra a mulher pela condição de gênero dela, pelo fato de ela ser do sexo feminino.

O Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) analisa as imagens para tentar saber quem são pessoas que participaram do linchamento de José. Se forem identificadas, elas poderão responder criminalmente por assassinato.

“Eu e minha filha chegamos a comentar a possibilidade de ela registrar um boletim de ocorrência contra o ex pelo fato de ele começar a persegui-la a obrigando a voltar o namoro”, lembrou Carlos. “Mas optamos por sempre deixar alguém com Elisabete, principalmente quando saía de casa.”Após o término do romance, a insistência de José se tornou obsessiva a ponto de ele pegar uma faca e ir até o ponto onde Elisabete e a amiga esperavam o ônibus para irem ao curso de moda. As duas planejavam abrir uma confecção de roupas próprias. “Ela estava radiante no dia em que foi morta porque a loja dela tinha sido registrada na junta comercial”, contou o pai dela.

Outros dois casos de mulheres mortas por ex-companheiros foram registrados nos últimos quatro dias na Grande São Paulo. Em Cotia, Cléder Gonzaga Ilário, de 42 anos, matou a namorada dentro de um quarto de motel. No Bom Retiro, Centro de São Paulo, Douglas Roberto Silva Santos, de 39 anos, matou a ex-companheira depois de tirá-la a força do trabalho e golpeá-la com um soco.

Leia mais no G1

    Compartilhe: